Um guia completo sobre as principais distribuições Linux

Tanto para usuários iniciantes quanto para usuários mais avançados, este guia é muito útil para resumir as características fundamentais das principais distribuições Linux existentes; oferecendo um material completo sobre cada uma delas.

Recomendo que leia:

Arch

O Arch Linux é considerada para usuários mais avançados, por conta de sua filosofia de desenvolvimento. Ou seja, o Arch Linux é simples, flexível e considerada UNIX-like; definindo simplicidade como oferecer um ambiente sem complementos adicionais que permite ao usuário mudar o sistema de acordo com suas necessidades.

Ela é uma distribuição fundada por Judd Vinet, em meados de 2002, e é otimizada para processadores i686/x86-64.

Arch é uma distribuição rolling release, ou seja, o sistema é atualizado continuamente. Você obterá acesso às novas versões simplesmente mantendo o sistema atualizado através do gerenciador de pacotes. Utiliza o Pacman (Package manager – gerenciador de pacotes) que torna fácil a tarefa dos usuários personalizarem o sistema.

O número de fiéis usuários tem crescido devido as suas inúmeras qualidades e sua filosofia de desenvolvimento.

  • Gerenciador de Pacotes: Pacman (Package manager – gerenciador de pacotes)
  • Ambientes Desktop: Blackbox, Fluxbox, GNOME, IceWM, KDE, LXDE, Openbox, WMaker, Xfce
  • Alternativas baseadas no ArchLinux: ArchBang Linux e Chakra
  • Baseado em: Independente

Site Oficial: http://www.archlinux.org/
Download: http://www.archlinux.org/download/
Comparativo do Arch Linux com outras Distribuições

Screenshots

CentOS


O CentOS é uma distribuição Linux Enterprise derivada de códigos fonte gratuitamente distribuídos pela Red Hat Enterprise Linux (RHEL) e mantida pelo CentOS Project, proporcionando um grande acesso aos softwares padrão da indústria, incluindo total compatibilidade com os pacotes de softwares preparados especificamente para os sistemas da RHEL. Isso lhe dá o mesmo nível de segurança e suporte, por conta dos updates, que outras soluções Linux Enterprise, porém sem custo.

Como o RHEL, CentOS tem suporte de no mínimo 5 anos de atualizações de segurança. Devido estas características empresariais, o CentOS é muito utilizado em ambientes de servidores Linux – em empresas de médio a grande porte.

Em resumo, mesmo tendo disponível ambiente Desktop em sua lista de downloads; o CentOS é mais recomendado para ambientes servidores.

Site Oficial: http://www.centos.org/
Download: http://www.centos.org/modules/tinycontent/index.php?id=13

Screenshots

Debian


Debian é uma das distribuições Linux mais antigas e populares. A primeira vez anunciada, foi em 1993 por Ian Murdock. Ele começou como um grupo pequeno de desenvolvedores de Software Livre e cresceu gradualmente para se tornar uma comunidade grande e bem organizada de desenvolvedores e usuários.

Sua popularidade se deu devido a alguns números: vem com mais de 37.500 pacotes (softwares pré-compilados e empacotados em um formato amigável, o que faz com que sejam de fácil instalação em sua máquina) e deu base para mais de 100 novas distribuições Linux (como o Ubuntu).

Sua versão estável é exaustivamente testada, o que o torna ideal para servidor (segurança e estabilidade). Além dessa versão, existem versões unstable e testing.

  • Gerenciador de Pacotes: APT usando pacotes DEB
  • Ambientes Desktop: Blackbox, Fluxbox, GNOME, KDE, LXDE, Openbox e Xfce
  • Alternativas baseadas no Debian: Ubuntu
  • Baseado em: Independente

Site Oficial: http://www.debian.org/
Download: http://www.debian.org/distrib/ftplist

Screenshots

Fedora


O Fedora é uma das mais populares e estáveis distribuições Linux que existem atualmente. O Projeto Fedora é patrocinado pela Red Hat (RHEL), a mais confiável provedora de tecnologia de código aberto do mundo.

Era mantido pela gigante Red Hat até 2004, quando surgiu o Fedora Core, pois na época a Red Hat estava fechando seu sistema e concentrando-se no mercado corporativo. Isso significa que, desde o princípio, o Fedora já contava com o que há de mais moderno em tecnologia de software, assim como também contava com uma das mais competentes e dedicadas equipes em seu desenvolvimento. A Red Hat investe no Fedora para encorajar a colaboração e é incubadora de novas e inovadoras tecnologias de software livre.

Por isto, o Fedora é considerado uma distro robusta.

  • Gerenciador de Pacotes: YUM usando pacotes RPM
  • Ambientes Desktop: Cinnamon, GNOME, KDE, LXDE, MATE, Openbox e Xfce
  • Possíveis alternativas: CentOS e Pidora (distro baseada no Fedora – voltada para uso no Raspberry Pi)
  • Baseado em: RedHat

Site Oficial: http://fedoraproject.org/
Download: hhttp://fedoraproject.org/get-fedora.html

Screenshots

Mint


Linux Mint, uma distribuição baseada na distro Ubuntu (com o qual é totalmente compatível e partilha os mesmos repositórios), foi liberada pela primeira vez em 2006 por Clement Lefebvre, um francês que vive na Irlanda. Considerado por muitos como um “Ubuntu melhorado” ou o “Ubuntu perfeito”; por incluir drivers e codecs proprietários por padrão e por alguns recursos que permitem fazer em modo gráfico configurações que no Ubuntu são feitas de modo texto.

Contudo, o Mint não é apenas um “Ubuntu melhorado” – difere na adição de novas ferramentas, como: mintDesktop = um utilitário para configuração do ambiente da Área de Trabalho, mintMenu = um novo e elegante menu para facilitar a nevegação, mintInstall = um facilitador de instalação de novos programas e o mintUpdate = um gerenciador de atualizações de software. Em resumo, o principal objetivo da distribuição é oferecer um sistema Linux que funcione ‘completamente’ logo após a instalação, sem precisar instalar mais nada.

Mesmo tendo diversos benefícios, e ainda ser oferecido gratuitamente, o projeto é mantido por doações e publicidades, principalmente. Não existe um calendário definido de lançamentos (como o Ubuntu – semestralmente). Atualmente (2013), oferece uma versão baseada no Debian Testing.

  • Gerenciador de Pacotes: APT com o mintInstall usando pacotes DEB (compatibilidade com o repositório do Ubuntu)
  • Ambientes Desktop: Cinnamon, Gnome, KDE, MATE e XFCE.
  • Possíveis alternativas: Pinguy OS e Zorin OS
  • Baseado em: Ubuntu, Debian

Site Oficial: http://www.linuxmint.com
Download: http://www.linuxmint.com/download.php

Screenshots

Mageia


O Maegeia é a distribuição Linux mais nova desta lista, formada em 2010. Contudo, vem com um slogan “Mude sua perspectiva”. É uma distribuição de origem francesa criada por ex-funcionários e colaboradores da Mandriva Linux. Ao contrário do Mandriva, que é uma entidade comercial, o projeto Mageia é um projeto da comunidade e uma organização sem fins lucrativos.

A distribuição vêm apresentando um crescimento acentuado de acordo com o Hit Ranking do site Distrowatch.com.

  • Gerenciador de Pacotes: URPMI usando pacotes RPM (com o a interface gráfica Rpmdrake)
  • Ambientes Desktop: GNOME, KDE, LXDE, Openbox, e Xfce.
  • Baseado em: Mandriva

Site Oficial: http://www.mageia.org/
Download: http://mageia.org/en/downloads/

Screenshots

OpenSuse


O openSUSE é um projeto comunitário patrocinado pela Novell – em contraponto a versão Enterprise do Suse. Possui como diferencial o famoso YaST (Yeah Another Setup Tool), um software que centraliza todo o processo de instalação, configuração e personalização do sistema OpenSuse.

Por outras características, o OpenSuse é uma ferramenta de configuração completa e intuitiva; tem um grande repositório de pacotes de software e excelente documentação oficial. Em contrapartida, a sua versão desktop é muitas vezes vista com recursos pesados ​​e utilitários gráficos lentos.

  • Gerenciador de Pacotes: YaST gráfico e terminal usando pacotes RPM
  • Ambientes Desktop: GNOME, KDE, LXDE, Openbox e Xfce
  • Baseado em: Independente (seus primórdios são oriundos do Slackware)

Site Oficial: http://www.opensuse.org/
Download: http://software.opensuse.org/

Screenshots

Slackware


O Slackware é uma das distribuições mais antigas de todas as outras. Deu origem a diversas outras, igualmente ao Debian e o Red Hat. Foi idealizada por Patrick Volkerding, tem como características principais leveza, simplicidade, estabilidade e segurança. Possui a mesma filosofia de desenvolvimento que do Arch Linux.

Para muitos, é considerada uma distribuição difícil de se usar, voltada para usuário avançados. Por outro lado, o Slackware possui um sistema de gerenciamento de pacotes simples, assim como sua interface de instalação, que é uma das poucas que continua em modo-texto (Unix-like).

  • Gerenciador de Pacotes: Pkgtool e slackpkg
  • Ambientes Desktop: Blackbox, Fluxbox, KDE e Xfce
  • Possíveis alternativas: Arch Linux (possui a mesma filosofia de desenvolvimento)
  • Baseado em: Independente

Site Oficial: http://www.slackware.com/
Download: http://www.slackware.com/getslack/

Screenshots

Ubuntu


Originalmente baseada no Debian, foi anunciada a primeira vez em 2004. Posteriormente, o Ubuntu cresceu e se tornou a mais popular distribuição Linux desktop; e isso se deve ao fato dela se preocupar muito com o usuário final (desktop). Basicamente um dos motivos para tanta popularidade se deve a que o projeto foi criado por Mark Shuttleworth, um multimilionário Sul-Africano; ex-integrante do projeto do Debian. Inovador e desfiador, o Ubuntu foi criado para evitar os erros dos outros projetos semelhantes – ele criou uma excelente infraestrutura com uma documentação no estilo Wiki, criativo mecanismo de relatório de bug, e uma abordagem profissional para os usuários finais. E, o Projeto Ubuntu foi capaz de inovar; enviando CDs gratuitos a todos os usuários interessados​​, contribuindo assim para a rápida disseminação da distribuição 😉

O Projeto do Ubuntu, se destaca perante a comunidade Linux por sempre inovar e empreender. Mantém um calendário fixo de publicações de novas releases (semestralmente), sendo algumas delas com suporte prolongado; de 3 a 5 anos (LTS version). Atualmente (2012-2013) inova na criação do Ubuntu Phone para smartphones e Ubuntu TV para televisores. E possui diversas edições, tais como: LUbuntu, Ubuntu Studio, Edubuntu e outros. Além disso, possui um ambiente de desktop diferenciado, o Unity.

  • Gerenciador de Pacotes: APT com pacotes DEB
  • Ambientes Desktop: Gnome, KDE, LXDE
  • Possíveis alternativas: todas as sua edições (LUbuntu, Ubuntu Studio, Edubuntu e outros) e o Linux Mint (distro derivada do Ubuntu mais famosa)
  • Baseado em: Debian

Site Oficial: http://www.ubuntu.com/
Download: http://www.ubuntu.com/desktop/get-ubuntu/download

Screenshots

Curioso sobre a cronologia das outras distros?!

O GNU/Linux Distribution Timeline criou uma timeline que descreve a cronologia de todas as distros existentes. Acesse aqui diretamente a nova versão.

Ricardo Ferreira

Ricardo Ferreira

Fundador do Linux Descomplicado - LD.

Sempre em busca de novos conhecimentos, preza por conteúdo de qualidade e auto-explicativo. Por isso, persiste em criar um site com artigos relevantes para todos os leitores do Linux Descomplicado!
Ricardo Ferreira

Comentários

comentários


VOCÊ TAMBÉM PODERÁ LER...

  • Everton Lopes

    Não entendi… guia das principais distros que tem na lista ao mesmo tempo Ubuntu/Mint/Debian, CentOS/Fedora<<<< neste caso esquecendo-se do RHEL que é a principal e da qual os dois derivam… ou seja 5 aí poderiam ser apenas 2 na lista se o autor realmente soubesse o que fala… quer ensinar/dar dicas etc? aprenda antes….

    • linux10complica

      Ubuntu/Mint/Debian são distros distintas. Mesmo sendo derivadas do Debian, possuem peculiaridades que as enaltecem. CentOS/Fedora são distintas também, mesmo oriundas da RHEL.
      Não entendo usuários xiitas, como você, que condenam as derivações e suas melhorias perante as distros baseadas. Se a comunidade dependesse de usuários como você, ainda estaríamos no Unix…
      Por fim, saía da sua zona de conforto… o espaço do Blog está aberto para compartilhar seu conhecimento. Ao invés de criticar e disseminar menosprezo, use sua expertise para escrever artigos mais completos e detalhados do que esse!
      O convite está lançado 😉

      • Everton Lopes

        Já faço isto

        • linux10complica

          Divulga aqui o link do seu blog/site ou perfil de uma rede social Linux que faça parte, que eu aprovo seu comentário.

          Uma forma para disseminar seu conhecimento também 😉

          • Everton Lopes

            Ok>>> http://biblioteca-linux.blogspot.com.br/ https://www.facebook.com/bibliotecalinux?ref=hl É simples ainda e não é um site como este porém o que falo, falo sabendo o que estou falando lá e por incrível que pareça falo também dos remasters que existem por aí, não sou radical como disse.. em alguns casos sim, ou seja eu separo sim o que é distro das “remasters” ou baseadas e discordo quando acham que um remaster é uma “nava” distro etc

          • Everton Lopes

            Ajudei neste projeto também http://www.duzeru.com/sobre.html e tem meu nome la ainda como um dos colaboradores… 😉

          • Eris R. Jr

            Senhor Deus… O cara fala mau por citar mint e fedora como distros e que falta o Red Hat na lista (Sobre o Red Hat eu concordo), mas aí para provar que ajuda o software livre posta que participa da criação de uma REFISEFUQUI!
            Santa hipocrisia! Coerência povo, coerência…

          • Everton Lopes

            Opa.. voltei pra responder…. cara eu ajudei enquanto eu ainda estudava Linux e depois que aprendi o que é realmente distro e o que é um mero remaster ou fork como dizem, caí na real e não há hipocrisia alguma nisto pois eu realmente não entendia muito… então não há porque me chamar de hipócrita.. sim, é certo que ninguém sabe da minha vida e não preciso provar nada, eu realmente ajudei uma refisefuqui mas não na criação…. mas se fcou dodói por eu ter falado de alguma remaster que tu é fã me desculpe :)

            #Edit: E convenhamos, distros principais, são as independentes ao meu ver e a pessoa que postou, mencinou distros que são de certa forma as mesmas e esqueceu por exemplo do Alt Linux que é independente e se citou Debian, Ubuntu e Mint como distros distintas ou (pricipais) porque não citou então o Trisquel que é de fato 100% livre e sem “extras” embutidos no sistema como o Ubuntu faz?(bom a demais também tem “extras”) mas os extras do Ubuntu vai além de softwares e drivers priprietários
            *-*….. mas sei lá.. eu não me considero um expert nisto, porém a maneira que algumas pessoas tratam Linux é triste, eu apenas levo sério….

          • Eris R. Jr

            Notou que participa do desenvolvimento de um projeto nos moldes dos que esta criticando?

            Cadê a coerência?

          • Everton Lopes

            E se tu notar meu amigão, eu critiquei o post por conter informação errada, e tive que explicar o porque da critica, pois na real quem entende sabe que algumas citadas acima não devem ser vistas como “distros principais”, ou seja, se quer informar informe certo, aí esta minha coerência 😉 abraço

          • Thiago Silva

            Critica o Debian e o Ubuntu e diz que ajudou nessa merda de “Refisefuqui” que não passa de uma cópia do Xubuntu!KKKK

      • Everton Lopes

        Ah me esqueci.. um usuário de Windows que com certeza tu é e usa Linux talvez em VM ou em Dual sem deixar de usar de fato o sistema da MS só poderia ter esta opinião mesmo…. ou estou enganado? eu falo o que falo por usar apenas Linux e ter testado e usado as principais e perceber que as derivadas mudam na sua maioria, apenas o arquivo /etc/os-release e o nome e poucas são as melhorias da fato e destas derivações a única que trouxe realmente algo diferente foi Ubuntu porém trouxe um problema… uma “epidemia” de remasters dele que já é uma based e isto faz os mal informados pensarem que existe várias “distros” quando não passam de mudanças ridículas e nada além disto, ou seja e existem muitas que são apenas versões da mesma coisa pra ser mais exato e pra mim isto limita o conhecimento sobre este SO pois muitos ficam apenas nos “Ubuntus” por exemplo, digo este pois é o mais usado…. foi apenas uma opinião, só achei que você fez o artigo sem conhecimento.. se estou errado ok que seja.. mas eu aprendi e minha experiência é diferente então e mesmo que ache que eu esteja errado deixe visível tudo que postei aqui só pra não ficar bom pra o seu lado e me fazer parecer ridículo nas minhas “falas” ou seja, critiquei e expliquei ok? vlw e não falei da qualidade dos artigos nem do site, apenas deste artigo

        • linux10complica

          Discordo de tudo que falou; principalmente no que se refere a dizer que eu uso MS Windows ao invés de algum sistema Linux. Não estou aqui para provar nada… mas afirmo que uso o Linux tanto em server quanto em desktop, porque atende as minhas necessidades. E por isso, dissemino meu conhecimento.

          Por fim, enquanto não houver ofensas, calúnias ou depreciação do outro; seus comentários serão publicados – mesmo que eu esteja discordando.

  • linux10complica

    O xiismo, historicamente, vem de um radicalismo islâmico que prega que os princípios e
    valores iniciais devam ser mantidos; a todo custo. Pejorativamente, semelhante a radical.

    O que quis dizer é que você é radical ao pensar dessa forma. É obvio que sempre existirão as versões inciais de um projeto e que elas serão mais robustas e maduras. Mas, se não for permitido existir alterações a partir delas, como a comunidade Linux poderá difundir seus preceitos e princípios para uma maioria de pessoas?

    É claro que a abundância de versões de um mesmo projeto, deixa a estrutura inicial fragmentada. Contudo, isso é uma prova real da adesão em massa do kernel Linux o/

  • Eris R. Jr

    Ficou bacana bacana a lista.

    Se me permite uma sugestão, para abranger todas distribuições “tradicionais”, poderia ser interessante citar:
    Red Hat e a importância deste e de seus clones, como o CentOS e Oracle Linux no “nundo corporativo”
    Gentoo
    Na pagina do openSUSE, citar a existência da versão comercial.

    Sucesso com o blog.

  • linux10complica

    Red Hat e CentOS

  • Jack Daemon

    Bacana, mas faltou o Gentoo/Funtoo nessa lista…

    E quanto ao Slackware, o correto é que o Arch foi inspirado na filosofia do Slackware (até porque o Arch nasceu em 2002; 10 anos após a primeira versão do Slackware), e não que o Slackware possui a mesma filosofia do Arch.

    O Arch, apesar de ser inspirado na filosofia do Slackware, mantem uma pequena diferença; no Slack: “Mantenha tudo o mais simples possível”, Arch: “Mantenha tudo mais simples e leve possível”;