Muito do além do kernel – desvendando as principais siglas e acrônimos do universo Linux

siglas-acronimos-linux-header

O mundo da tecnologia é formado por diversas palavras que deixam muita gente confusa no que se refere ao significado delas. Mais precisamente, são as siglas e os acrônimos que causam uma enxurrada de novas “palavras” no universo da tecnologia. Assim, no mundo Linux não poderia ser diferente… existem muitas siglas e acrônimos que deixam muito usuário iniciante, e até mesmo, mais experiente, confuso. Inclusive, são palavras que possuem significados importantes para se ter um completo entendimento do sistema Linux e do que mantém o Linux funcionando.

AUMENTE SUA PRODUTIVIDADE!
Crie e administre aplicações entre ambientes diferentes. Tenha agilidade e padronização na entrega dos serviços de TI. E, assim, ganhe tempo e seja eficiente na entrega desses serviços. Saiba como

Mas, antes…

Anteriormente, escrevi um artigo sobre os elementos que formam a estrutura do sistema Linux. Onde, destaquei que o Linux “não é o todo” – é apenas o Kernel (núcleo) do sistema operacional. O Linux, por si só, não é capaz de oferecer recursos e funcionalidades completas para o computador. Por isso, existem elementos fundamentais para o funcionamento do sistema operacional, tais como: o bootloader, o Shell, os softwares GNU, o servidor gráfico, o ambiente desktop e muito mais.

Partindo dessa condição, o universo Linux é repleto de siglas e acrônimos que o rodeiam. Inclusive, são palavras que possuem significados importantes para se ter um completo entendimento do sistema Linux e do que mantém o Linux funcionando.

Sendo assim, é extremamente importante que você as conheça. Principalmente, se estiver iniciando no universo Linux 😉

Contextualizando

Segundo o dicionário, SIGLA é uma palavra formada através da redução de um grupo de palavras às suas iniciais, as quais são pronunciadas de acordo com a designação de cada letra. Por exemplo, MBR e GPT.

Por outro lado, o ACRÔNIMO é uma palavra formada através da junção de letras ou sílabas iniciais de um grupo de palavras, que se pronuncia como uma palavra só, respeitando, na generalidade, a estrutura silábica da língua. Por exemplo, GNU.

Siglas e acrônimos do universo Linux

Para facilitar a listagem das principais palavras, resolvi separar as SIGLAS dos ACRÔNIMOS. Assim, listadas por ordem alfabética, cada palavra é descrita e exemplificada mostrando uma relação com o universo Linux.

ACRÔNIMOS

CUPS – Common Unix Printing System

cups CUPS (acrônimo para Common Unix Printing System) é um sistema de impressão modular para sistemas operacionais do tipo Unix que permite criar um servidor de impressão. Um computador executando o CUPS pode aceitar, de outros computadores, trabalhos de impressão. Além disso, processá-los e enviá-los para uma impressora previamente configurada no servidor de impressão.

Em resumo, o CUPS consiste em um agendador e um spooler de impressão (do acrônimo Simultaneous Peripheral Operations On-line que refere-se a um processo de transferência de dados colocando-os em um espaço temporário para que outro programa possa acessá-lo e processá-lo futuramente).

ETH – Ethernet Adapter

eth ETH é uma nomenclatura usada no Linux para referer-se a placa de rede do computador – responsável por conceder acesso a uma rede Ethernet (LAN).

Assim, normalmente, no Linux é possível ver expressões como eth0, eth1 para indicar as placas de redes de redes, do padrão Ethernel, presentes no computador 😉


FOSS – Free Open Source Software

foss FOSS é um termo muito usado na informática que significa algo relacionado a “Free and Open Source Software”, ou seja, tudo relacionado ao “Software livre e de código aberto” \o/




GID – Group IDentification

gid GID, Group IDentification, representa a identificação de um grupo no controle de usuários do sistema Linux. Nele, os usuários são organizados em grupos. O GID de um usuário identifica o grupo que ele pertence. Assim, no momento da criação do usuário é criado um identificador único para ele (UID) e para o grupo pertencente (GID) também.

Para visualizar essas informações, execute no terminal o comando ‘id’ e veja esses identificadores. Será mostrado, os identificadores do usuários autenticado atualmente no sistema.

GIT – Global Information Tracker

git Git é um sistema de controle de versão distribuído e um sistema de gerenciamento de código fonte, com ênfase no desempenho. Ele foi inicialmente projetado e desenvolvido por Linus Torvalds para o desenvolvimento do kernel Linux, mas foi adotado por muitos outros projetos.



GNOME – GNU Network Object Model Environment

gnomeGNOME (acrônimo para GNU Network Object Model Environment) é um dos Ambientes Gráficos Desktop mais famosos e mais utilizados em desktops Linux. É adotado pelas principais distros Linux, bem como: Fedora, openSUSE, Ubuntu GNOME, e muitos outros.

Em resumo, um Ambiente Desktop fornece tudo que você vê e interage – o fundo da tela, painéis, barras de título das janelas e muito mais. O GNOME é apenas um Ambiente Desktop 😉

GNU – GNU is Not Unix

gnu GNU é um sistema operacional tipo Unix cujo objetivo, desde sua concepção, é oferecer um sistema operacional completo e totalmente composto por software livre – isto é, que respeita a liberdade dos usuários. Foi criado por Richard Stallman, em 1984, e sua filosofia dão base a Free Software Foundation (FSF) – Fundação Software Livre.

Em resumo, o Projeto GNU foi concebido como uma maneira de trazer de volta o espírito cooperativo que prevalecia na comunidade de computação nos seus primórdios, deteriorado pelos obstáculos impostos pelos donos de software proprietário; emergentes na epóca.

Mas, falar do GNU e não falar da controvérsia do uso da nomenclatura “Linux” e/ou “GNU/Linux” não seria legal 😉

Sendo assim, destaco que o uso, apenas, do nome “Linux” indica que somente o Linux é capaz de oferecer sozinho as funcionalidades que ele tão bem oferece. Mas, isso não é verdade… Assim, o uso do nome “GNU/Linux” representa mais fielmente que o sistema também inclui outros softwares utilitários fundamentais para o funcionamento do sistema.

Entenda mais sobre esse assunto AQUI.

GRUB – GRand Unified Bootloader

grub Oficialmente denominado GNU GRUB, o GRUB é um gerenciador de boot popular devido à sua flexibilidade e capacidades de configuração, permitindo que mudanças sejam feitas no boot e suporte para imagens de inicialização da rede.

Tecnicamente, gerenciadores de boot são softwares capazes de iniciar o processo de carregamento de sistemas operacionais em um computador. Em situações em que uma máquina possue mais de um sistema operacional instalado, eles são importantíssimo, pois com eles é possível o usuário escolher qual sistema irá carregar.

Em diversos sistemas Linux, o GRUB é o gerenciador de boot utilizado. Entre seus principais recursos está a capacidade de trabalhar com diversos sistemas operacionais, como o Linux, o Windows e as versões BSD.

GUI – Graphical User Interface

gui GUI refere-se a “Graphical User Interface” (Interface Gráfica do Usuário, em português), que permite a interação de dispositivos digitais com os elementos gráficos do computador. Por exemplo, o uso do mouse para clicar num ícone de botão 😉



LILO – LInux LOader

grub Um gerenciador boot para o Linux similar ao GRUB. Contudo, devido a popularidade do GRUB, o LILO não vem por padrão nas principais distribuições Linux.




PAM – Pluggable Authentication Modules

pam PAM ou Módulos de Autenticação Plugáveis/Modulares é a parte principal da autenticação em um sistema Linux. Praticamente todos os aplicativos do Linux que requerem algum tipo de autenticação suportam PAM. Toda a configuração está localizada no diretório /etc/pam.d. Portanto, visando criar um módulo único e centralizado de autenticação, os sistemas Linux realizam a autenticação via esse metódo.

Por exemplo, com o PAM, é possível criar políticas de senhas que trabalham com mundança periódica, período de expiração e verificação de padrões de senha e muito mais.

PID – Process IDentification

pid Cada processo sendo executado no Linux está associado a um número inteiro positivo que é conhecido como PID (Process IDentification). Ou seja, o PID é o identificador único de um processo em execução 😉



POSIX – Portable Operating System Interface

posix Traduzido para Interface Portável entre Sistemas Operacionais, o POSIX, é um conjunto de normas definidas pelo IEEE para a manutenção de compatibilidade entre sistemas operacionais.

Basicamente, ele serve para uniformizar as interfaces de programação de aplicativos (API), inclusive os utilitários shell de linha de comando e interfaces utilitárias, que são fornecidos pelos sistemas operacionais do tipo Unix (inclusive, o Linux).

Tem como objetivo garantir a portabilidade do código-fonte de um programa a partir de um sistema operacional que atenda as normas POSIX para outro sistema POSIX, desta forma as regras atuam como uma interface entre sistemas operacionais distintos. Em resumo, “programar somente uma vez, com implementação em qualquer sistema operacional” 😉

A necessidade de padronização surgiu porque as empresas que usavam diversos computadores/sistemas queriam ser capazes de desenvolver programas que poderiam ser portados entre os diferentes sistemas de computador sem ter que ser refeito. Assim, o sistema Unix foi escolhido como a base para uma interface de sistema padrão!

RPM – RPM Package Manager

rpm O Gerenciador de Pacotes RPM (RPM) é um sistema de gerenciamento de pacotes de software de baixo nível.

O RPM serve para instalar, atualizar, desinstalar, verificar e procurar pacotes do tipo .rpm. Originalmente desenvolvido pela Red Hat, o RPM é agora usado por muitas distribuições Linux.

O RPM é similar ao DPKG. Contudo, distinguem-se no suporte as distribuições Linux. Enquanto o RPM é suportado em distros derivadas da família Red Hat (Fedora e CentOS) e o DPKG é suportado na família do Debian (Ubuntu e outros).

TAR – Tape ARchive

tar Presente nativamente nos sistemas Linux, o TAR foi projetado para manipular dados de fitas magnéticas, com dados sequenciais. Entretanto, não se restringiu somente a isso, pois é amplamente usada para armazenar vários arquivos em um só; preservando informações como datas e permissões. Por outro lado, a ferramenta TAR, por si só, não comprime arquivos; apenas lista-os e coloca-os em um mesmo arquivo (.tar). Para que haja compressão, existe a junção do TAR com ferramentas de compressão, bem como GZIP (tar.gz), BZIP (tar.bz2) e XZ (tar.xz).

Entretanto, vão aparecer situações onde alguns desenvolvedores de softwares disponibilizam seus programas diretamente pelo código-fonte (source) – que por sinal era, nos primórdios, o único método utilizado para instalação de programas no Linux (algumas distribuições ainda mantêm essa técnica com frequência). Em resumo, você tem acesso a um arquivo compactado no formato .tar.gz (maioria das vezes), contendo o código-fonte do programa, e a instalação consiste em compilar e instalar os executáveis gerados na máquina.

UID – User IDentification

uid UID, User IDentification, representa a identificação de um usuário. O UID é usado pra muitas coisas, mas principalmente para diferenciar as permissões de acesso a arquivos.

Para visualizar essas informações, execute no terminal o comando ‘id’ e veja esses identificadores. Será mostrado, os identificadores do usuários autenticado atualmente no sistema.

YaST – Yet another Setup Tool

yast Ferramenta gráfica de configuração que faz, simplesmente, tudo no sistema; bem como: adicionar repositórios, ajustar o bootloader, gerenciar partições, configurar rede e muito mais. Tudo a partir de um único lugar. É muito popular por sua fácil e atrativa interface gráfica, que permite, de forma rápida, simples e inteligente, a configuração do seu sistema durante e após a instalação.

Contudo, essa ferramenta está disponível somente no openSUSE e no SUSE Linux Enterprise.

YUM – Yellowdog Updater, Modified

apt O YUM é uma ferramenta utilizada para gerenciar a instalação e remoção de pacotes em distribuições Linux, que utilizam o sistema de pacotes RPM. É um gerenciador de pacotes similar ao APT que lida automaticamente com dependências computando-as e resolvendo o que deve ser feito para tratá-las. Trabalha com formato .rpm de pacotes.

O YUM faz o download do pacote especificado de algum repositório. Possui um simples arquivo de configuração. Faz um cálculo eficaz das dependências. O YUM é usado em distribuições baseadas na família Red Hat. Entretanto, o Fedora já faz algum tempo trocou o YUM pelo Dandified Yum (DNF). O DNF, por ser derivado do próprio YUM, tem foco principal resolver alguns problemas do seu antecessor. Na prática, o DNF apresenta melhor desempenho e menor consumo de memória nas buscas, verificações de atulizações e na resolução de dependências.

WINE – Wine Is Not an Emulator

wine O Wine é um dos aplicativos mais interessantes que existem, porque ele permite rodar aplicativos nativos do Windows em outros sistemas operacionais. Ele não emula integralmente o Windows em outro sistema, apenas “traduz” as bibliotecas nativas do Windows no momento que o programa é executado. Assim, garante um desempenho confiável e sem retardos 😉


SIGLAS

API – Application Programming Interface

api Interface de Programação de Aplicação (API) é um conjunto de rotinas e padrões estabelecidos por um software para a utilização das suas funcionalidades por aplicativos que não pretendem envolver-se em detalhes da implementação do software, mas apenas usar seus serviços.

Popularmente, o uso de API tem se concentrado no uso de plugins (acessórios que complementam a funcionalidade de um programa). Os autores do programa principal fornecem uma API específica para que outros autores criem plugins, estendendo as funcionalidades do programa. Por exemplo, a comunidade do Mozilla Firefox disponibiliza uma API para que seja criados plugins para seu navegador 😉

APT – Advanced Package Tool

apt APT (Advanced Packaging Tool) é um conjunto de ferramentas usadas pelo Debian e suas respectivas derivações, entre elas o Ubuntu, para administrar os pacotes .deb de uma forma automática, de modo que quando um programa é instalado o APT instala e/ou atualiza também todos os pacotes que são necessários para o funcionamento do programa.

O APT usa o DPKG para complementar o processo de instalação/remoção dos pacotes. Enquanto o APT lida com instâncias remotas e controle de dependências dos pacotes, o DPKG tem o trabalho de manipular o pacote diretamente.

Assim, em tutoriais de instalação, é constantemente visto o uso de comandos como: apt-get, apt-cache e outros!

DPKG – Debian Package Manager

apt O DPKG é uma ferramenta para instalar, construir, remover e gerenciar pacotes Debian e distros derivados.

O DPKG é uma ferramenta de baixo nível, servindo como base para o APT que obtém os pacotes de instalação, incluindo suas dependências, em repositórios remotos. Analogamente, o APT está para o YUM; e DPKG está para o RPM 😉

FHS – Filesystem Hierarchy Standard

fhs A Filesystem Hierarchy Standard (FSF) é uma padrão do sistema de arquivos Linux projetado para ser usado por desenvolvedores de distribuições Linux e desenvolvedores de pacotes. No entanto, destina-se principalmente a ser uma referência de como deve estar estruturado o sistema de arquivos Linux e sua hierarquia de diretórios.

A FHS define a estrutura de diretórios do sistema e o conteúdo de cada um deles. Esse padrão é mandido pela Linux Foudantion – Organização sem fins lucrativos que tem o intuito de promover o Linux e suas vertentes.

Em resumo, a FHS é que define o porquê da existência do diretório /usr, /var, /mnt e outros. E, o que eles devem conter. Assim, é criado um padrão do sistema de diretórios do Linux 😉

FSF – Free Software Foundation

fsf A Fundação para o Software Livre (FSF) é uma organização sem fins lucrativos, fundada em 1985, por Richard Stallman, que se dedica a eliminação de restrições sobre a cópia, estudo e modificação de programas de computadores – princípios do movimento do software livre. Faz isso promovendo o desenvolvimento e o uso de software livre em todas as áreas da computação mas, particularmente, ajudando a desenvolver o sistema operacional GNU e suas ferramentas.


GCC – GNU Compiler Collection

gcc O GNU Compiler Collection é um conjunto de compiladores de linguagens de programação produzido pelo projeto GNU para construir um sistema operacional livre. É uma das ferramentas essências para manter o software livre, pois permite compilar o código-fonte em binários executáveis para as várias plataformas computacionais disponíveis.

O compilador GCC foi escrito por Richard Stallman, em 1987, para servir de compilador para o Projeto GNU. Além disso, ele foi e tem sido adaptado como compilador principal para construir e desenvolver para um leque de sistemas, incluindo GNU/Linux, os BSDs, Mac OS X e outros.

GPL – General Public License

gpl É a designação de uma licença para uso do software livre, idealizada por Richard Stallman e pensada para o âmbito do projeto GNU. Mas, acabou se tornando a licença de software mais utilizada pelos projetos de software livre. Em grande parte, devido à sua adoção ao sistema operacional GNU/Linux.

A GPL prevê algumas garantias de liberdade que permitem que os programas sejam distribuídos e reaproveitados, mantendo, porém, os direitos do autor por forma a não permitir que essa informação seja usada de uma maneira que limite as liberdades originais.

A licença não permite, por exemplo, que o código seja apoderado por outra pessoa, ou que sejam impostos sobre ele restrições que impeçam que seja distribuído da mesma maneira que foi adquirido.

GPG – GNU Privacy Guard

gpg GPG é uma implementação, feita pela Free Software Foundation (FSF), do padrão OpenPGP que permite criptografar e assinar documentos digitais. O OpenPGP, por sua vez, usa o software de criptografia assimétrica PGP. Assim, a GPG é uma das ferramentas mais importantes que você pode usar para comunicações seguras no ambiente de trabalho Linux.

Tecnicamente, a GPG criptografa informações utilizando a criptografia de chaves assimétricas, também conhecido como “criptografia de chaves públicas”; onde é criado um par de chaves de segurança, compostos por uma chave pública e outra privada.

GPT – GUID Partition Table

gpt GPT é uma estrutura de particionamento do disco, similar a MBR. Entretanto, a estrutura GPT (Tabela de Partição Guid) é um layout diferente para particionamento de disco rígidos. O GPT traz muitos benefícios comparados ao MBR (Master boot record), dos quais se destacam: suporte para partições acima dos 2 TB , melhor estrutura/organização ao nível das partições e aumenta a probabilidade de recuperação de dados.

Com chegada do firmware UEFI, o GTP, além de trazer diversas melhorias, ele é o único modelo de partições suportado nesse firmware. Em resumo, em computadores com suporte a 64bits e presença do firmware UEFI, a criação da partição GPT é automática 😉 Mas, caso ative o modo Legacy BIOS somente o MBR poderá ser usado.

GTK – GIMP Toolkit

gtk GTK é um um conjunto de ferramentas multiplataforma construído para a criação de interfaces gráficas. Foi desenvolvido inicialmente para o GIMP, por isso foi batizado de GIMP toolkit, com abreviação GTK+.

O GTK oferece um conjunto completo de widgets que é adequado para projetos que vão desde pequenas ferramentas até completas suítes de aplicativos. Por exemplo, o ambiente GNOME usa GTK+ como base do seu sistema e muitos programas para GNOME usam GTK+ como seu Toolkit (conjunto de ferramentas). O GTK+ é escrito na linguagem C.

HCL – Hardware Compatibility List

hcl Uma Lista de Compatibilidade de Hardware (HCL) contém hardwares de computadores (normalmente incluindo muitos tipos de dispositivos periféricos) que são compatíveis com um determinado sistema operacional ou software de gerenciamento de dispositivos. Em outras palavras, é uma lista que contém os hardwares suportados por cada sistema ou software 😉

No caso do Linux, essa lista é disponibilizada por cada distribuição Linux. Por exemplo, o Ubuntu disponibiliza AQUI sua lista de hardwares certificados; o Linux Mint AQUI e openSUSE AQUI 😉

Essa lista é importante porque há uma grande quantidade de hardware em circulação, e muitos sistemas operacionais dão “garantias” de suporte para alguns deles. Uma lista de compatibilidade de hardware acaba se tornando um banco de dados de modelos de hardware compatíveis com um determinado sistema operacional \o/

KDE – K Desktop Environment

kde Comparado ao GNOME, o KDE é também um dos Ambientes Gráficos Desktop mais famosos e mais utilizados em desktops Linux. É adotado pelas principais distros Linux.

Ela é mais conhecida pela sua área de trabalho Plasma, um ambiente de trabalho fornecido como o ambiente padrão em muitas distribuições, como OpenSUSE, Mandriva Linux, Kubuntu, Sabayon e Chakra GNU/Linux.

LDP – Linux Documentation Project

ldp O Projeto de Documentação Linux (LDP) é voluntário e mantém uma grande coleção documentos relacionados ao Linux. E tudo isso, é público e online 😉

Começou como uma maneira para que os hackers compartilhassem sua documentação com seus usuários, e para que os usuários compartilhassem entre si. Seus documentos tendem a ser orientados para usuários mais técnicos e experientes, bem como: administradores de sistemas. Contudo, também contém tutoriais para iniciantes!

LFS – Linux From Scratch

lfsLinux From Scratch (LFS) é um tipo de instalação Linux. É uma maneira de instalar um sistema Linux trabalhando construindo todos os componentes dele manualmente. Este é, naturalmente, um processo mais longo do que instalar uma distribuição pré-compilada do Linux. Literalmente, “Linux do zero” (LFS) 😉

De acordo com site oficial do projeto, as vantagens deste método são que ele oferece um sistema compacto, flexível e seguro; e uma maior compreensão do funcionamento interno dos sistemas operacionais baseados em Linux.

LPI – Linux Professional Institute

lpiLinux Professional Institute (LPI) é uma organização sem fins lucrativos, sediada na California – USA e constituída em 1999 pela comunidade Linux, e, desde então, desenvolve de forma acessível um programa de certificação em sistemas GNU/Linux reconhecido internacionalmente por empresas, empregadores e profissionais de TI.

A certificação LPI está entre as mais procuradas do mundo por profissionais da área de Tecnologia da Informação. Além disso, o LPI é reconhecido como a primeira organização do mundo a defender e ajudar o uso profissional do Linux, Open Source e Free Software através de certificação profissional 😉

Por fim, conforme site da LPI Brasil, a principal vantagem da LPI sobre outras certificações Linux é a neutralidade de distribuição, pois as provas do LPI são baseadas no Linux Standard Base (LSB), um conjunto de normas que mantém a compatibilidade entre as diferentes versões e distribuições do sistema operacional.

LSB – Linux Standard Base

lsb A Linux Standard Base (LSB) é um conjunto de normas que mantém a compatibilidade entre as diferentes versões e distribuições do sistema operacional. A LSB é baseado na especificação POSIX e em vários outros padrões abertos.

O objetivo da LSB é desenvolver e promover um conjunto de padrões abertos que aumentam a compatibilidade entre distribuições Linux e permitem que softwares sejam executados em qualquer sistema compatível. Além disso, a LSB ajuda a coordenar os esforços para recrutar desenvolvedores de softwares para criar programas para sistemas operacionais Linux.

Em resumo, a LSB especifica, por exemplo: bibliotecas padrão, um número de comandos e utilitários que estendem o padrão POSIX, o layout da hierarquia do sistema de arquivos, os níveis de execução, o sistema de impressão, incluindo spoolers como o CUPS e várias extensões para o Sistema X Window.

LVM – Logical Volume Management

lvm O Gerenciador de Volume Lógico (LVM) é um método para alocar espaço do disco rígido, em volumes lógicos, que podem ser facilmente redimensionados; diferentemente das partições salvas nas tabelas de partições.

Uma das grandes vantagens do uso do LVM é poder criar uma camada lógica sobre um disco rígido ou conjunto de discos e ter condições de de criar, excluir, redimensionar e expandir partições no disco sem precisar desligar o computador ou mover dados.

Entre outras vantagens, destaco: uso eficaz de disco, principalmente quando há pouco espaço para criação de partições independentes; permite aumentar/diminuir dinamicamente o tamanho das partições sem reparticionamento do disco rígido usando o espaço livre em outras partições ou utilizando o espaço livre reservado para o uso do LVM 😉

MBR – Master Boot Record

mbr Um Registro Mestre de Inicialização (MBR) é um tipo especial de setor de inicialização no início de dispositivos de armazenamento. Resumidamente, está contido no primeiro setor da unidade de disco rígido.

Identifica onde a partição ativa está e inicia em seguida o programa de inicialização (GRUB, por exemplo) dessa partição. O setor de inicialização identifica onde o sistema operacional está localizado e ativa as informações de inicialização a serem carregadas no armazenamento principal ou na RAM do computador. O Registro Mestre de Inicialização inclui uma tabela que localiza cada partição presente na unidade de disco rígido.

Contudo, o MBR possui algumas limitações, mesmo tornando-se padrão para particionar e inicializar sistemas a partir de discos rígidos. Entre elas, o MBR não funciona com discos superiores a 2 TB de tamanho; tem suporte somente até 4 partições primárias – se você quiser mais, você tem que fazer uma das suas partições primárias uma “partição estendida” e criar partições lógicas dentro dele. Por isso, o uso do GPT está cada vez mais comum 😉

ODF – Open Document Format for Office Applications

odf Também conhecido como OpenDocument, é um formato de arquivo baseado em XML para planilhas, gráficos, apresentações e documentos de processamento de texto. Foi desenvolvido com o objetivo de fornecer um formato de documento universal que poderia ser usado com qualquer suíte de software de escritório.

O padrão foi desenvolvido por um comitê técnico no consórcio da Organização para o Avanço de Padrões de Informação Estruturada (OASIS). As especificações foram originalmente desenvolvidas pela Sun Microsystems como um formato XML para o pacote de escritório OpenOffice.org.

As extensões de nome de arquivo mais comuns usadas para documentos OpenDocument são: .odt para documentos de texto (texto), .ods para planilhas, .odp para apresentações, .odb para bases de dados, .odg para gráficos e .odf para fórmulas/equações matemáticas.

QT

qt Qt é um framework multiplataforma para desenvolvimento de interfaces gráficas, similar ao GTK, escrito em C++ e criado pela empresa norueguesa Trolltech.

Com ele é possível desenvolver aplicativos e bibliotecas uma única vez e compilá-los para diversas plataformas (Windows, Linux, mobile e mais) sem que seja necessário alterar o código fonte. Qt é utilizado largamente no ambiente desktop KDE. Já o ambiente desktop Gnome usa GTK.

UEFI – Unified Extensible Firmware Interface

uefi UEFI é uma interface de programação padrão para inicializar um computador. Evoluiu a partir da interface EFI desenvolvida pela Intel. Projetado para substituir o sistema de inicialização BIOS, o UEFI também é compatível com máquinas baseadas em BIOS.

Os PCs começaram a ser fornecidos com a UEFI em 2006. A partir de 2012, muitas versões do Windows, Mac e Linux começaram a ter suporte a UEFI, mas não com todas as suas características. No caso do Windows, a versão 8 tira proveito do recurso de inicialização segura da UEFI (secure boot).

Em relação as partições de discos, os sistemas BIOS só são capazes de inicializar a partir de tabelas de partição MBR. Por outro lado, as vantagens da UEFI sobre a BIOS são numerosas, bem como: ambiente de pré-inicialização capaz de executar aplicativos, design modular, compatibilidade de interface com a BIOS e capacidade de inicializar a partir de discos maiores que 2TB 😉

Ricardo Ferreira

Ricardo Ferreira

Fundador do Linux Descomplicado - LD.

Sempre em busca de novos conhecimentos, preza por conteúdo de qualidade e auto-explicativo. Por isso, persiste em criar um site com artigos relevantes para todos os leitores do Linux Descomplicado!
Ricardo Ferreira

Comentários

comentários


VOCÊ TAMBÉM PODERÁ LER...

  • emersonfn

    Ótimo obrigado